segunda-feira, 22 de maio de 2017

Extraterrestres Não Deixaram Detonar Artefato Nuclear na Lua


Na década de 1950, o Coronel Ross Dedrickson foi responsável por manter um estoque de armamento nuclear para a Comissão de Energia Atômica dos EUA, e por acompanhar as equipes de segurança, inspecionando os armamentos, entre outras coisas. Como seu obituário declara:

Ele foi designado para a Comissão de Energia Atômica dos EUA. Um longo serviço com a Comissão de Energia entre 1950 e 1958 incluiu deveres de contratos administrativos em locais de teste no estado de Nevada, Área de Testes Nucleares no Pacífico ao oeste do Havaí, fabricação e controle de qualidade de armamentos nucleares em Albuquerque, e inspeção de instalações nucleares e não nucleares por todo o país.  Ele serviu com a 5ª Força Aérea no Japão e mais tarde, como Coronel, foi o Oficial Encarregado do Comando Unificado do Pacífico, no ‘centro de controle e comando’ no Havaí. Em 1962, foi transferido e serviu como Encarregado de Materiais para a 832ª Divisão Aérea da Base Canon da Força Aérea, em Clovis, Novo México. Ele se aposentou da Força Aérea em 1964.

Dedrickson está entre um de centenas de militares delatores com histórico confirmado que foi apresentado pelo Disclosure Project do Dr. Steven Greer. Seu testemunho sobre OVNIs – especificamente sobre os OVNIs e os armamentos nucleares – pode ser corroborado por uma gama de informações e evidências que está disponível dentro do domínio público. Muitos delatores fizeram apresentações no National Press Club, numa tentativa de difundir esta informação pelo mundo, com o maior exemplo sendo a Audiência de Cidadãos para o Desacobertamento, que ocorreu há poucos anos (2014).

Com tal histórico profissional, trabalhando nos lugares onde trabalhou, é seguro dizer que ele teve acesso a informações sensíveis sobre vários assuntos. Este não é somente um delator militar aleatório do alto escalão, falando a respeito de assuntos aleatórios. Há muitos delatores e documentos claramente delineando um relacionamento de décadas entre OVNIs e instalações de armazenamento de armas nucleares e locais de testes.

Um número desses incidentes possui confirmação visual, junto com confirmações por radar de solo e de ar também.

Na entrevista abaixo, Dedrikson explica como o governo dos EUA tentou detonar um armamento nuclear na Lua, mas foram impedidos de fazê-lo.

No que diz respeito à imprensa corporativa, é conhecimento público que um relatório anteriormente secreto do Centro de Armamentos Nucleares da Força Aérea, de junho de 1959, mostra o quão seriamente eles consideraram o plano, chamado Projeto A119. Em geral, eles queriam investigar a capacidade dos armamentos no espaço, bem como ganhar mais informações sobre o ambiente do espaço e a detonação de dispositivos nucleares dentro dele.

É interessante como o mundo é tão envolvido em programas de TV, tais como Strange Things (Coisas Estranhas), os quais mostram o Departamento de Energia e seu envolvimento com criaturas de outros mundos e outros estranhos fatos, todavia estão dispostos a ignorar um Coronel estadunidense que trabalhou em cargos sensíveis no Departamento de Energia por anos, na época quando todo esse desenvolvimento nuclear estava a todo o vapor. Ele é real e é interessante pensar sobre o que ele realmente poderia saber.

Ele declarou:

Também descobri sobre incidentes envolvendo armamentos nucleares, e entre estes incidentes estavam um par de armamentos nucleares enviados ao espaço que foram destruídos pelos extraterrestres…  Bem no final da década de 70 e no começo da década 80, tentamos colocar um armamento nuclear na Lua e explodi-lo para mensurações científicas e outras coisas, o que não foi aceito pelos extraterrestres.  Eles destruíram os armamentos antes de chegarem na Lua.

Veja abaixo vídeo em inglês de uma entrevista com o Coronel aposentado da Força Aérea dos Estados Unidos, Ross Dedrickson (Para instruções de como ativar a legenda em português, embora esta não seja precisa, clique aqui):


Anomalia é Detectada Vindo da Antártica e Cientistas não Sabem Explicá-la


Recentemente tem havido muita atividade anômala no mapa traçado pelo Morphed Integrated Microwave Imagery – MIMIC-TPW (Imagens de Microondas Integradas) que está vindo da Antártica. Embora o mapa não mostre a região do polo, você ainda pode ver como a anomalia em forma de onda está obviamente se originando da Antártica.

Em abril, o mesmo tipo de atividade estava sendo produzido a partir da mesma região. Devido às coordenadas das quais a anomalia parece estar se originando, muitos acreditam que ela poderia de alguma forma estar ligada à Estação Princesa Elizabeth, que está localizada em Utsteinen Nunatak, Terra da Rainha Maud. Coordenadas: 71.949960°S 23.347503°E


A estação está situada na base de estruturas que se assemelham a pirâmides. Muita controvérsia tem sido levantada a respeito desta área em recentes meses, com o ex-astronauta Buzz Aldrin escrevendo uma sinistra mensagem no Twiter, alertando: “É o próprio mal”.

Meses antes, outras pessoas notaram o que parecia ser um forte no formato de uma cúpula na mesma região. É claro, após houve também várias mensagens no Twitter mostrando estranhas pirâmides de gelo.

Agora parece que ainda outro mistério está se originando do Polo sul, o qual ainda não foi explicado.

O canal do YouTube, Dahboo777 explica no vídeo como ele notou o mesmo fenômeno mensurado pelo MIMIC já em abril, e como ele havia reportado a respeito disso na época. De acordo com Dahboo777, e com o sistema MIMIC, as ondas parecem emanar da Antártica e se movem para fora no Oceano Pacífico.

Infelizmente, similar aos outros mistérios acima relacionados sobre o Polo Sul, este é mais um que permanece sem respostas. Esperançosamente, logo saberemos a verdade, assim poderemos compreender o que está ocorrendo no nosso planeta.

Por agora, tudo que podemos fazer é especular sobre o que está ocorrendo…

Veja o vídeo em questão (Para instruções de como ativar a legenda em português, embora esta não seja precisa, clique aqui):



Astronauta Buzz Aldrin enviou Mensagem de Alerta à Humanidade em seu Twitter?


Estamos todos em perigo. É o próprio mal – ‘Buzz Aldrin’?

O ex-astronauta Buzz Aldrin, o segundo homem a pisar na Lua (oficialmente), teria enviado uma mensagem no seu Twitter, durante sua viagem à Antártica, alertando sobre um eminente perigo para a humanidade. 

Embora não haja prova alguma de que a mensagem de Aldrin no Twitter tenha sido verdadeira, pois as reportagens alegam que a mesma foi apagada, fica aqui o registro do que estão comentando, para a apreciação de nossos leitores:

Buzz Aldrin enviou um sinistro alerta no Twitter esta semana, alegando que “estamos todos em perigo. É o próprio mal”, acompanhada de uma foto de uma pirâmide no Pólo Sul.

A mensagem no Twitter foi publicada dias após o astronauta estadunidense ter ficado misteriosamente doente na Antártica e sido evacuado para a segurança na Nova Zelândia, para tratamento médico de emergência.

O site superstation95.com reporta:

O Sr. Aldrin parece estar se referindo a este objeto, como visto numa foto do Google Earth:


A pirâmide não está localizada longe da Estação Princesa Elisabeth, pertencente ao Reino Unido, no Pólo Sul, como mostrado na foto abaixo:


Foi reportado pela imprensa mundial que o Secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, recentemente viajou para o Pólo Sul, supostamente para se informar melhor sobre as “mudanças climáticas”.

Kerry foi a maior autoridade do governo dos EUA a oficialmente visitar o Pólo Sul, e sua visita impactou a muitas pessoas como sendo anormal.

Poucas pessoas viram quaisquer propósitos para enviar um diplomata estadunidense do alto escalão para um dos lugares mais longínquos da Terra, para ver… gelo.


Agora, com a mensagem no Twitter de Buzz Aldrin, e sua estranha eliminação mais tarde, as pessoas estão imaginando se o envio de um diplomata do alto escalão dos EUA para a terra de ninguém, talvez tivesse mesmo algo a ver com a diplomacia.

Haveria alguma entidade lá com a qual precisamos contato diplomático?

Se este foi o caso, por que teria Buzz Aldrin alertado que estamos todos em perigo?  Por que ele chamou isto de “o próprio mal”?

Se há algo no Pólo Sul que possa ser o ‘próprio mal’, então que a humanidade saiba sobre isto, para que assim possamos decidir como lidarmos com isto, mesmo se a decisão for a de deixar ‘isto’ em paz.

Mas já que um confiável e respeitado astronauta nos disse que “estamos todos em perigo”, então seja lá o que isto for acaba de se tornar um problema de todos nós para decidirmos o que fazer.

Verdadeira ou não esta reportagem, não podemos ignorar que realmente é estranho o fato de John Kerry ter ido até lá somente para ver gelo.  Mas é claro, a Antártica esconde muitos segredos dos próprios governos da Terra e não é necessário um ET para apresentar risco à humanidade.

Aos interessados em comprovar a existência dessas estruturas perto da Estação Princesa Elisabeth, clicar aqui.

Twitter que começou a espalhar a história: https://twitter.com/slone/status/806552107671257090