quinta-feira, 24 de abril de 2014

‘Torcedor FANTASMA’ na Libertadores intriga internautas [VÍDEO]

Imagens veiculadas pela Fox Sports em jogo da Libertadores mostra sombra em meio à torcida; internautas dizem ser ‘fantasma’


Desde a última quinta-feira (17), um vídeo circula na internet e intriga internautas de toda a América. Durante a transmissão da Fox Sports do jogo entre The Strongest e Defensor Sporting, pela Libertadores, uma imagem chama a atenção. Uma estranha sombra aparece em meio à torcida em alta velocidade, no meio da arquibancada do Estadio Hernando Sile, em La Paz, na Bolícia. A sombra passa no meio dos torcedores e ninguém esboça nenhuma reação.

Claro que não demorou para que as imagens caíssem na rede e os boatos começassem a surgir. A ‘aparição’ virou até matéria de uma emissora de TV da Bolívia, onde aconteceu o jogo. Para aumentar ainda mais a onda de boatos sobre o ’torcedor fantasma’, o site BolaVIP garante que o estádio foi construído no terreno de um antigo cemitério. Muitos internautas dizem que essa não é a primeira vez que isso acontece no local. Já outras pessoas que assistiram à cena têm certeza de que não passa da sombra de alguma câmera, talvez até mesmo da própria emissora.

Assista ao vídeo:

video

Porém, um outro vídeo, feito pela rede SuperSport, revelou detalhes que não foram percebidos na filmagem da Fox Sport. Podemos perceber, então, que se tratava mesmo de um homem comum. Ele desce alguns lances da arquibancada e começa a correr. Nada de fantasma aqui:


Fontes:

O Homem que foi Abduzido por Extraterrestres em Catanduva/SP


O objeto voador projeta um filete de luz azulado e se aproxima da estrada. O motor do carro morre. A tentativa de dar partida é em vão. O homem tenta uma fuga a pé, tão inútil quanto desesperada. A nave lança uma espécie de esteira, que passa sob os seus pés. Ele é tragado em direção ao objeto e logo se vê em uma sala ovalada, o corpo preso por cintas sobre um assento de encosto alto, as mãos presas por braceletes. 

Seu Onílson Pátero na entrevista, poucos meses antes
de falecer: convicção de quem defende uma causa
No corpo uma macacão cheio de fios metálicos, na cabeça uma espécie de capacete com visor. Lá fora vê casas com telhados altos e bem inclinados, torres de igrejas. De repente, do vale que avista, vê brotar do chão um ovni em forma de ovo, que, acompanhado de uma nuvem branca, se eleva nos ares até próximo de onde se encontra. E que lugar é esse? Essa é parte da descrição de um dos mais impressionantes relatos de abdução registrados pela ufologia brasileira. O que exatamente o catanduvense Onílson Pátero vivenciou há 40 anos, completados neste próximo dia 26, é um mistério ainda longe de ser desvendado. 

Seu Onílson morreu em agosto de 2008, aos 75 anos, apenas sete meses após o Diário fazer uma entrevista exclusiva com ele, em sua casa em Catanduva, na qual ele falou sobre sua incrível aventura. Agora, quatro décadas depois, a filha Samara Pátero prepara uma exposição, que deve rodar cidades da região de Rio Preto, para este segundo semestre. O objetivo é resgatar os fatos em torno daquele 26 de abril de 1974 vividos pelo pai, o qual ela considera ter sido um privilegiado pelo que passou. 

Seu Onílson deixou registrado dois casos de abdução, com intervalo de um ano entre um e outro. Mas é este, de quatro décadas atrás, o mais intrigante e tido pelos ufólogos como um dos casos mais contundentes que se têm notícia pela coerência nos muitos depoimentos que ele deu à época, com poucas divergências entre os relatos. 

Tão rumoroso que chegou a ser monitorado pelo Dops (Departamento de Ordem Política e Social), após o delegado que cuidou do caso enviar ofício ao então chefe do Serviço de Informações Romeu Tuma para saber se o catanduvense pertencia a algum departamento de “assuntos espaciais”. Prova de que o órgão oficial de repressão durante o regime militar não estava de olho somente em suspeitos aqui na terra. Tinha interesse também em qualquer movimentação estranha nos céus do Brasil. 


A captura 

A saga do seu Onílson começou naquele que teria tudo para ser mais um na rotina de um vendedor. Ele negociava livros didáticos e viajava muito pelo Estado. Almoçou mais cedo e avisou a mulher, dona Lourdes, que tinha compromisso na cidade de Júlio de Mesquita, aproximadamente 160 quilômetros de Catanduva. Se despediu da mulher, deu um beijo nas filhas Samara e Silvana e partiu. Ninguém imaginava o quanto custaria para que se reencontrassem. 

Já à noite, terminado o trabalho, ele saía de Marília de volta pra casa quando a 15 quilômetros de Guarantã, da janela do Fusca, avistou uma luminosidade azulada correndo paralelamente ao longo dos fios de energia da Cesp. Era, de acordo com ele, um objeto voador não identificado (ovni). Capturado e levado ao interior da nave, vivenciou experiências registradas tanto em sucessivas entrevistas dadas a pesquisadores quanto em sessões de hipnose regressiva, com acompanhamento de membros da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores (SBEDV) e até da Aeronáutica. 


Extraterrestre, marciano? 

Por quase uma semana a família Pátero ficou sem notícias do vendedor. Seu desaparecimento já tinha sido registrado à polícia. Encontraram o carro no acostamento da estrada, perto da porteira da fazenda Água Santa, não muito distante de Guarantã. No interior do Fusca a mala de seu Onílson, com documentos, cheques e dinheiro. Tudo intacto, o que só fez aumentar o mistério e levou a família a pensar no pior. 

Enquanto as buscas em solo paulista se mostravam infrutíferas, a imprensa capixaba começava a espalhar a notícia de um homem que havia caído de um disco voador. Encontrado desorientado, sujo e cheio de carrapichos por um fazendeiro local em morro de Colatina, cidade do Espírito Santo a 1,2 mil quilômetros de Catanduva, Pátero só falava frases soltas sobre os momentos que diz ter passado no interior do ovni. 

Nem mesmo se dava conta de que havia transcorrido cinco dias entre o “rapto” pelo ovni e seu aparecimento em terras distantes. No morro em que surgiu misteriosamente deixou inscrito suas iniciais - “OP” - como uma pista para o caso de não ser encontrado. Chamado de marciano, de “homem que viajou no disco voador”, via chegar ao fim seu pesadelo. E começava o mistério que permanece até hoje. 


Notícia correu o Brasil, Alemanha e França

As duas abduções de Onílson foram tema de reportagens em jornais brasileiros e ganharam destaque em publicações de países europeus, como Alemanha e França, lembra a filha. Samara conta que tinha 13 anos na época em que tudo aconteceu. Ela e a irmã Silvana afirmam que sofreram muito. “A gente acaba evitando falar no assunto, por medo de sermos vistos como loucos. As abduções são mais comuns do que se imagina, mas muitos não revelam por vergonha.” 

Ela lembra do drama vivido pela família quando o pai desapareceu na região de Marília. Até seu reaparecimento, no Espírito Santo, conviveram com toda angústia da espera. “Vivemos momentos muito tensos a partir daí, pois muita gente queria falar conosco. Recebemos a visita até da Gal Costa, que gostava muito do tema, além de muitos ufólogos que vieram pesquisar o caso do meu pai.” 

Dentre os pesquisadores, estiveram presentes Jorge Nery, do Instituto de Astronomia e Pesquisas Espaciais de Araçatuba, o mesmo que investigou os sinais nos canaviais de Riolândia. O caso também foi investigado por uma das mais prestigiadas instituições de pesquisa ufológica do País, a Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores. E chegou até o Dops pelo delegado do caso, que solicitava informações a respeito do seu Onílson e das pessoas que o pesquisavam, a fim de saber se integravam algum departamento oficial de “assuntos espaciais” e se podiam oferecer algum esclarecimento sobre o homem que disse haver viajado num disco voador. 


DEPOIMENTO

"Eu vi um homem realmente convicto." 
Marival Correa 

O que levaria um homem de 75 anos, trabalhador, pai-avô, que depende de sua boa reputação e de sua credibilidade para fechar seus negócios, a criar uma história sobre abdução e experiências em um disco voador? Quando estive diante de seu Onílson Pátero, em janeiro de 2008, essa foi a principal pergunta que tinha em mente. Para passar de “contador de causo” à pecha de maluco, mentiroso e adjetivos equivalentes seria um pulo. Um risco grande demais que não compensaria qualquer suposta tentativa de marketing pessoal ou intenção de se promover. 

E o que vi foi um homem convicto, resoluto. Um homem íntegro, com sinceridade expressa no olhar e com a arma mais importante de quem acredita na causa que defende, a verdade. Ouvia cada questionamento atentamente e respondia com paciência e firmeza. O que pude concluir é que algum fenômeno, algo inexplicável, pode sim ter acontecido com ele. 

No interior da nave, fios em forma de teias e um ‘clone’ 

Seu Onílson descreve o interior da nave espacial, pela qual diz ter sido abduzido, como um local complexo dotado de muitas salas e equipamentos. Ao emaranhado de fios, responsáveis por gerar intensa luminosidade no ambiente, ele deu o nome de teias de aranha, dispostas em três e até quatro camadas. As luzes eram esféricas, ora completamente expostas, ora inseridas em tubos. Havia ainda nas paredes de três a quatro pontos luminosos intermitentes, “do mesmo modo como se vê numa tela de TV ao ser desligada”, descreveu. 

Não constam relatos sobre a que tipo de experiência teria sido submetido durante a abdução, nem uma descrição de como seriam as criaturas. Contou, porém, que foi levado por três seres encapuzados a um dos compartimentos do ovni, onde foi amarrado com cintas de aço atadas à uma cadeira metálica. Diz que trocou de roupa e vestiu uma espécie de macacão recoberto por fios e que foi analisado por meio de instrumentos e de luzes. 

O clone 

Em seguida, ainda preso à cadeira, lembra de estar com um capacete dotado de um pequeno visor. Viu uma série de indivíduos em fila indiana passarem à sua frente. Eles estavam postados ora de frente, ora de lado, mas sempre cobertos por capuzes que se constituíam num prolongamento da própria roupa que vestiam, o que impedia fazer qualquer tipo de descrição detalhada sobre como eram. Lembra apenas que “alguns tinham aspectos humanos”. 

O único que não estava oculto pela vestimenta era o último da fila. Um susto enorme para o vendedor. Segundo ele, aquele ser era uma cópia exata dele. Vestia as mesmas roupas que usava quando foi abduzido e até os óculos eram iguais. Como isso seria possível? Seria o primeiro caso de clonagem humana durante uma abdução? Nem mesmo seu Onílson tinha respostas, quando questionado tanto pelos pesquisadores quanto pela reportagem, há seis anos, poucos meses antes de sua morte. 

A descida 

Um dos últimos episódios de que se lembra, dentro da nave, foi ainda estar com braceletes de aspecto metálico, amarelados e opacos, nos pulsos e nos tornozelos, que não o incomodavam. Depois de ter sido colocado num tipo de urna, parecendo de isopor, embutida no piso e onde havia lugar para todo o corpo se acomodar anatomicamente. 

Não soube precisar por quanto tempo ficou nessa urna, aliás a partir daí disse não se lembrar de mais nada. Só sabe que ao recobrar a consciência já estava novamente vestido com a sua própria roupa e em outro compartimento mais espaçoso. Depois diz ter sido desembarcado do objeto pela mesma esteira que o capturou no início da experiência. Contou que foi colocado de forma suave sobre o chão. Seu Onílson notou que era noite alta e que estava sobre um morro. Dali ainda observou a partida do estranho objeto. Restava a ele saber onde estava e tentar entender tudo o que havia acontecido. Mas quem acreditaria?

Assista a entrevista abaixo:


Fonte da matéria: diarioweb.com.br