sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Satélite Extraterrestre “CAVALEIRO NEGRO” de 13.000 anos filmado sobre Jacksonville/FL, EUA? - [VÍDEO]

A filmagem ao final deste artigo mostra, alegadamente, o assim chamado “Satélite Cavaleiro Negro” no céu dos Estados Unidos.


Estudiosos de OVNIs dizem que o dito satélite, o qual estaria orbitando a Terra, tem aproximadamente 13.000 anos e é de origem extraterrestre.

Esta filmagem aparece após relatarem de que o satélite foi filmado passando pela Estação Espacial Internacional e pela Lua.

Num vídeo tremido, publicado no YouTube, um grande objeto negro teria sido filmado sobre a cidade de Jacksonville, na Flórida – EUA.

A estrutura com forma bizarro é mostrada com três objetos menores pairando no ar próximos à ela.  Os objetos desaparecem repentinamente.

Uma mulher que filmou o estranho objeto primeiramente pensou se tratar de uma pipa.

Tyler Glockner, do Secureteam10, o qual coloca vídeos de OVNIs online, disse; “Esta nave se parece muito como ‘Satélite Cavaleiro Negro’, o qual também acredita-se ter sido capturado numa série de imagens da NASA em 1998.  Ele possui uma origem extraterrestre e está nos orbitando agora numa órbita polar próxima à Terra.  A semelhança do ‘Cavaleiro Negro’ com a nave filmada sobre Jacksonville incita a questão de que o ‘Cavaleiro Negro’ não só é real, mas também possui a habilidade de sair da órbita da Terra e nos visitar aqui na superfície, por propósitos desconhecidos.”

O ‘Satélite Cavaleiro Negro’ é descartado por muitos como sendo uma farsa imaginada por teóricos da conspiração.

Acredita-se que a história originou em 1954, quando jornais dos EUA publicaram artigos atribuídos ao major aviador naval reformado e pesquisador de OVNIs, Donald Keyhoe.

Ele teria dito que a Força Aérea dos EUA reportou ter detectado dois satélites orbitando a Terra.

Nenhuma nação tinha a tecnologia para lançar satélites naquela época. Mas este vídeo vem a agregar à quantidade cada vez maior de evidências apresentadas pelos caçadores de OVNIs, as quais dão suporte à existência do misterioso satélite.

As fotos da NASA, que supostamente mostram o satélite, foram liberadas após a missão do Ônibus Espacial Endeavor, em 1988, até a Estação Espacial Internacional.

Porém, a NASA disse que as imagens mostram somente cobertores térmicos que foram perdidos durante trabalho na Estação Espacial.

Veja abaixo a filmagem feita pela testemunha:


Fontes:

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Cientistas usam VÍRUS DA HERPES para CURAR CÂNCER DE PELE

Uma versão geneticamente modificada do vírus que causa herpes pode curar câncer de pele, de acordo com pesquisadores.

Estudo foi feito com 436 pacientes que tinham melanomas inoperáveis

O vírus da herpes modificado é inofensivo para células normais mas, quando injetado em tumores, se replica e libera substâncias que ajudam a combater o câncer.

Resultados de testes divulgados na publicação científica Journal of Clinical Oncology mostram que a terapia pode aumentar a sobrevivência dos pacientes por anos - mas apenas para alguns portadores de melanoma, o tipo mais grave de câncer de pele.

O tratamento ainda não foi licenciado.

"Quando o vírus da herpes infecta uma célula ele cresce dentro dela e a faz explodir, infectando as células ao redor. Por isso a ferida, são as células morrendo na sua pele", explica Richard Marais, do Cancer Research UK.

"Eles modificaram o vírus de três maneiras. Primeiro, fizeram com que parasse de causar herpes. Segundo, fizeram com que crescesse apenas nas células cancerígenas. Por último, fizeram ele ser atraente para o sistema imunológico. Por isso, quando injetado em um tumor, ele mata o tumor e ativa o sistema imunológico, que caça outros tumores para matá-los", conclui.

Para ele, a técnica poderá ser usada, no futuro, para combater outros tipos de câncer.

Tratamentos semelhantes de imunoterapia para melanoma já estão disponíveis nos Estados Unidos e na Europa, mas os pesquisadores acreditam que o vírus modificado, conhecido como T-Vec, poderia se somar a isso.

Seria também o primeiro tratamento para melanoma que usa um vírus.

O estudo é o maior teste aleatório de um vírus anticâncer e envolveu 436 pacientes de 64 centros nos Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e África do Sul que tinham melanomas malignos inoperáveis.
Leia mais: Uma em 4 células de pele tem mutações que podem levar a câncer, diz estudo.

"Há um crescente entusiasmo com o uso de tratamentos virais como T-Vec para o câncer, porque eles podem lançar um ataque duplo nos tumores - matando células cancerígenas diretamente e colocando o sistema imunológico contra elas", diz o coordenador dos testes no Reino Unido, Kevin Harrington, do Instituto de Pesquisa do Câncer, em Londres.

Melanoma é um tipo grave de câncer de pele devido à possibilidade de metástase

"E, como o tratamento viral pode ter como alvo células cancerígenas especificamente, há uma tendência a ter menos efeitos colaterais que a quimioterapia tradicional ou algumas das novas imunoterapias."


Mais pesquisa

"Estudos anteriores mostraram que o T-Vec poderia beneficiar algumas pessoas com câncer de pele avançado, mas este é o primeiro estudo a provar um aumento de sobrevivência", disse Hayley Frend, gerente de ciência da informação do Cancer Research UK.

"O próximo passo vai ser entender por que apenas alguns pacientes respondem ao tratamento com T-Vec, para ajudar a identificar quais pacientes poderiam se beneficiar disso", diz.

De acordo com o Inca (Instituto Nacional do Câncer), embora o câncer de pele seja o mais frequente no Brasil (25% dos casos), o melanoma - que é mais grave, devido à possibilidade de metástase - representa 4% dos tumores malignos de pele.

Os riscos de desenvolver câncer de pele aumentam com a exposição a raios UV.


Como reconhecer os sinais de câncer de pele

O câncer de pele é a forma mais comum da doença, mas, por outro lado, também é uma das mais facilmente curáveis.

Segundo a Sociedade Americana de Câncer, mais de 3,5 milhões de casos da doença são diagnosticados anualmente nos Estados Unidos, mais do que todos os outros tipos de câncer combinados.

No Brasil, são cerca de 190 mil novos casos todos os anos. O câncer de pele também é o de maior incidência no país.

Nas últimas décadas, o número de casos vem aumentando.

Quase todos resultam da exposição excessiva à luz ultravioleta, embora outros possam ser causados pelo homem, com bronzeamento artificial, por exemplo.

Contudo, o risco de desenvolver melanoma, o tipo mais perigoso de câncer de pele, dobra em pessoas que costumam tomar banhos de sol frequentes.

"As pessoas subestimam o dano que as queimaduras solares podem trazer à pele. Elas pensam que a vermelhidão é apenas uma parte inofensiva do processo de bronzeamento da pele, quando, na verdade, se trata de um sinal de dano irreparável", afirmou à BBC Johnathon Major, da Associação Britânica de Dermatologistas.

Segundo Walayat Hussain, especialista em câncer de pele do Leeds Teaching Hospitals NHS Trust, "o diagnóstico precoce é a chave para a cura."


Precaução

Sinais assimétricos podem ser indício de câncer de pele
Médicos recomendam prestar atenção à pele

A melhor maneira de prevenir o melanoma é prestar atenção à pele e, especialmente, a todos os sinais, afirmam especialistas.

Confira abaixo o alfabeto para melhor decifrar o melanoma:

A para ASSIMETRIA: Um sinal que, quando dividido ao meio, não parece o mesmo de ambos os lados.

B para BORDA: Um sinal com bordas que são pouco definidas ou irregulares.

C para a COR: Alterações na cor do sinal, incluindo escurecimento, propagação de cor, perda de cor ou aparência de diferentes cores como azul, vermelho, branco, rosa, roxo ou cinza.

D para DIÂMETRO: Um sinal maior do que 1/4 de polegada (0,6 cm) de diâmetro

E para ELEVAÇÃO: Um sinal que está elevado por cima da pele e possui superfície irregular.

Outros sinais de alerta são:

Uma ferida que não cicatriza. Propagação do pigmento da borda de uma mancha até a pele. Vermelhidão ou nova inflamação além da borda. Mudança na sensação (coceira, sensibilidade ou dor). Alterações na superfície do sinal (escamação, exsudação, sangramento, ou o aparecimento de protuberância ou nódulo).

Especialistas dizem que às vezes é difícil constatar a diferença entre o melanoma e um sinal comum. Para Hussein, a recomendação, portanto, é que o paciente vá ao médico sempre que tiver dúvidas.

Leia mais: Bloqueador não oferece proteção total contra câncer de pele, diz estudo

Atenção

O dermatologista britânico também deu várias dicas para prevenir o câncer de pele. "É preciso ser ponderado com relação ao sol", disse ele. "Não se trata de não se expor aos raios solares, mas apenas agir com sensatez", acrescentou.

Entre as medidas de prevenção destacam-se:

  • Evite expor-se ao sol das 11h às 15h
  • Use chapéu e aplique protetor solar com índice de proteção elevado
  • Aplique o creme várias vezes durante o período de exposição ao sol
  • Evite a todo custo queimar a pele


Fonte:  BBC